Santa Casa de Ribeirão Preto entrega sala de observação na Unidade de Urgência e Emergência

A nova ala conta com 14 leitos e equipamentos de última geração

No dia 14 de fevereiro foi entregue a nova sala de observação masculina e feminina da Santa Casa de Ribeirão Preto, com 14 leitos. Esta é a 3ª e última etapa das obras de reforma da ala de Urgência e Emergência.

Segundo o superintendente do hospital, Marcelo Di Bonifacio, a conclusão da obra reforça o compromisso da Santa Casa em promover melhor qualidade no atendimento aos pacientes.

A obra tem um total de 670 m², incluindo a reforma da unidade de ortopedia e traumatologia, reforma da Unidade de Urgência e Emergência, construção de guarita de vigilância para o acesso das ambulâncias e de pacientes (já entregues à população), além de salas de atendimentos, sala de espera e farmácia satélite.

Ao todo foram investidos mais de 2,5 milhões de reais na construção e na aquisição de equipamentos.

A sala de observação respeita todas as normas da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e conta com médicos e enfermeiros 24 horas.

Apenas na Urgência e Emergência da Santa Casa são realizados mais de 1000 atendimentos SUS (Sistema Único de Saúde) mensalmente, além de 7000 mil atendimentos na Unidade de Pronto Atendimento.

 

Uma história de dedicação à medicina e à Santa Casa

Aos 93 anos, Dr. Gilberto Roseiro, gastroenterologista, tem um história de grandes conquistas na Santa Casa de Ribeirão Preto. São 68 anos de dedicação aos pacientes do hospital, ele acompanhou de perto várias mudanças da medicina, do atendimento e principalmente da instituição.

Formado em medicina na Universidade do Rio de Janeiro, em 1949, Roseiro, natural de Pontal (cidade que viveu até os quatro meses), considera-se um ribeirão-pretano de coração, assim que concluiu os estudos voltou para Ribeirão Preto e fez internato (residência médica) na Santa Casa. Segundo ele, o hospital era pequeno se comparado a hoje, mas mesmo assim era o maior da região.

Na época, de acordo com Roseiro, os médicos tinham uma formação generalista, as especializações médicas começaram na década de 1960, até então, eles atendiam todos os pacientes. Para ele, a tecnologia contribui muito para a precisão de um diagnóstico, a formação em especialização permite ao profissional maior conhecimento e aprofundamento da área, diferente de quando ele iniciou sua carreira. “Nós éramos médico de família”, tínhamos um contato muito próximo com os pacientes, como não tínhamos os recursos tecnológicos atuais, precisamos examinar minunciosamente e conhecer os pacientes para chegar a um diagnóstico”, lembra.

Na Santa Casa, Roseiro foi chefe da enfermaria clínica feminina por 30 anos, diretor clínico de 1986 à 1992, implantou os serviços de anestesia e gastrenterologia. Além disso, foi Secretário Municipal de Saúde Municipal na década de 1960, ocasião em que foi para o Rio de Janeiro aprender sobre um novo sistema de saúde, implantado aqui, um ano depois – o SASSOM (Serviço de Assistência e Seguro Social dos Municípios de Ribeirão Preto) – que segundo Roseiro, foi um modelo amplamente difundido em outras cidades.

Ao lado de outros médicos, Roseiro acompanhou as mudanças desta instituição centenária, ele ressalta que o hospital possui uma estrutura diferenciada, que acompanhou os avanços da medicina e da tecnologia.

EM BUSCA DA ACREDITAÇÃO

A Santa Casa está em fase final para a acreditação pela ONA (Organização Nacional de Acreditação), nível 1. Para isto, a instituição passou, no final do ano de 2017, por uma avaliação pelo IBES (Instituto Brasileiro para Excelência em Saúde), que realizou um diagnóstico organizacional dos processos administrativos, assistenciais e operacionais.

A avaliação teve como objetivo verificar se os processos realizados no hospital cumprem com os requisitos do Manual Brasileiro de Acreditação. Durante o diagnóstico foram realizados apontamentos, com o intuito de corrigir os pontos que necessitem de melhorias. Agora, as equipes estão realizando os ajustes finais para atender os critérios da ONA.
A área de qualidade e os demais setores do hospital estão envolvidos em implementar as ações para a acreditação, a avaliação final está prevista para o segundo semestre deste ano.
A Acreditação visa padronizar todos os processos, oferecendo mais segurança aos pacientes, clientes e funcionários, além de garantir a constante melhoria no ambiente hospitalar.
O envolvimento das equipes com foco na qualidade dos processos e na segurança do paciente é fundamental. Vale ressaltar que todos os prestadores de serviços e parceiros da Santa Casa estão se adequando para cumprir as exigências – quando necessárias.
As ações administrativas foram fundamentais para este momento, com o incremento de receitas, controle de gastos, investimentos em negócios rentáveis, renegociação de contratos, entre outras.
A acreditação permitirá ao hospital mais segurança nos seus processos assistenciais e administrativos, consequentemente, levará a instituição ao aprimoramento contínuo de suas práticas, tendo como resultado o atendimento com excelência e com as rígidas normas de segurança ao paciente e profissionais de saúde, além de investir educação continuada e capacitação de seus colaboradores. A participação de todos os funcionários e parceiros do Hospital são fundamentais para o sucesso na acreditação.